Por Gustavo Martins-Coelho [a]

Prossegue hoje a descrição da hecatombe do serviço de passageiros na rede ferroviária portuguesa, linha a linha, entre 2009 e 2013 [11].

Ramal de Braga

A oferta de ligações não urbanas manteve-se inalterada, entre 2009 e 2013.

Linha do Norte

Em 2013, existem duas autoestradas entre Lisboa e Porto e está em funcionamento metade da terceira, mas a modernização da linha ferroviária, iniciada há dezassete anos, continua com um terço incompleto, fazendo da linha do Norte uma linha saturada, sobretudo após o encerramento da ligação à linha do Oeste e da ligação entre as linhas da Beira Alta e da Beira Baixa.

Em 2010, foi concluída a modernização de 34,7 km, entre o Entroncamento e Vale de Santarém.

Entre 2009 e 2013, mantiveram-se os 22 comboios rápidos entre Lisboa e o Porto, oito entre Lisboa e Braga, seis entre Lisboa e a Guarda, seis entre Lisboa e a Covilhã, quatro entre o Porto e Faro e dois entre Lisboa e Guimarães; foram adicionados dois Intercidades entre o Porto e Coimbra. Não houve qualquer alteração digna de nota nos tempos de viagem.

Linha do Vouga

Há «duas linhas» na linha do Vouga: o troço Aveiro–Sernada do Vouga e o troço Sernada do Vouga–Espinho — reminiscência de quando a linha do Vale do Vouga prosseguia de Sernada do Vouga para Viseu e o troço Aveiro–Sernada constituía o Ramal de Aveiro.

Houve um tempo em que se asseguravam ligações com os comboios da Linha do Norte. Entretanto, a linha do Norte foi enterrada em Espinho e a Linha do Vouga passou a ter o seu término na estação de Espinho (Vouga), a setecentos metros da estação de Espinho, constituindo uma «forte barreira ao transbordo dos passageiros» e um incentivo o abandono da utilização do comboio, segundo um estudo de 2012, que recomendava o restabelecimento da ligação à linha do Norte e afirmava que a linha do Vouga tem um potencial idêntico à de Guimarães, se for modernizada e integrada na rede de comboios urbanos do Porto.

Em Aveiro, os horários eram desajustados. A sua correcção, em 2010, fez crescer o número de passageiros em 30 %. O Governo tentou encerrá-la em 2011, com base em dados de utilização… de 2008! Por outro lado, não há horários compatíveis entre os dois troços da linha.

Os tempos de viagem não se alteraram nos últimos trinta anos. Entre Espinho e Sernada do Vouga, demora-se 2h09 a percorrer 61 km! Os 38 Km entre Aveiro e Sernada do Vouga demoram, no mínimo, 1h04.

Quanto à oferta, também não se alterou entre Espinho e Sernada do Vouga. Já entre esta e Aveiro houve alterações notáveis entre 2009 e 2013: passou-se de vinte para 22 ligações diárias entre Aveiro e Águeda; de quatro para vinte entre Aveiro e Macinhata do Vouga; e de quatro para doze entre Aveiro e Sernada do Vouga.

Suburbanos de Guimarães

Apesar do crescimento contínuo do número de passageiros desde 2004, circulavam, em 2013, 34 comboios urbanos diários, contra 43 em 2009. A viagem de Guimarães ao Porto (56 km) está três minutos mais rápida, demorando, no mínimo, 1h13. Após reclamações e uma petição reivindicando comboios expresso entre o Porto e Guimarães, a CP introduziu um comboio expresso no sentido Porto–Guimarães.

Suburbanos de Braga

Nos comboios urbanos de Braga, havia, em 2013, menos oito comboios por dia a circular, por comparação com 2009: passaram de sessenta para 52. A viagem, de 54 km, demora de 46 minutos a 1h07, metade do que demorava há três décadas, com uma frequência de meia hora, à hora de ponta. O Alfa Pendular demora apenas menos sete minutos entre Braga e o Porto do que o comboio urbano mais rápido…

Suburbanos de Caíde

Entre 2009 e 2013, mantiveram-se 71 comboios diários, tendo três deles sido prolongados de Penafiel até Caíde. A viagem de 46 km demora entre 47 e 58 minutos. Os intervalos entre os comboios são irregulares.

Suburbanos de Aveiro

Nos suburbanos de Aveiro, em 2013, havia 120 comboios diários; eram 130, em 2009. Os tempos de viagem não sofreram alterações. O tempo de viagem entre o Porto e Aveiro (63 km) varia entre 48 minutos e 1h09. Nas horas de ponta, havia, em 2013, três comboios por hora.

Suburbanos de Coimbra

Nos comboios de Coimbra à Figueira da Foz, a oferta mantinha-se, em 2013, igual à de 2009: 31 comboios urbanos diários. Em 2009, todos os comboios terminavam na estação central de Coimbra; em 2013, uma das ligações obriga a transbordo em Coimbra B. Os tempos de viagem não se alteraram.

Suburbanos do Sado

Entre 2009 e 2013, a oferta passou de 54 para setenta comboios diários. Todos param em todas as estações e apeadeiros.

Suburbanos da Margem Sul

Em 2013, mantém-se a oferta de 2009: 148 comboios diários. Os tempos de percurso e a frequência não tiveram modificações. A viagem (54 km) demora 52 minutos.

Suburbanos da Azambuja

Houve uma diminuição da oferta entre 2009 e 2013, de 158 para 152 comboios diários. A estrutura dos percursos foi alterada: os comboios de Azambuja terminam em Alcântara-Terra (era Santa Apolónia) e os de Castanheira do Ribatejo terminam em Santa Apolónia (era Alcântara-Terra). Os comboios que antes circulavam entre Alverca e Cacém ou Meleças circulam agora entre Alverca e Sintra. À noite, os comboios acabam mais cedo, comparativamente com 2009, e todos passaram a parar em todas as estações e apeadeiros, com prejuízo dos tempos de percurso.


Nota:

a: O artigo original pode ser lido no blogue «A nossa terrinha» [1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10].

Anúncios