Por Carlos Lima

A epiglote [1] é uma pequena cartilagem, muito elástica, situada junto da laringe, que serve para evitar que a comida entre na árvore respiratória, onde poderia provocar lesões graves, como pneumonias químicas. Apesar de se tratar dum sistema muito eficaz, quando algum alimento entra para a laringe desencadeia um acesso de tosse e, em casos mais graves, conduz ao engasgamento.

A glote faz parte da laringe, sendo a parte inicial à frente das cordas vocais [2], enquanto a epiglote faz parte da orofaringe [3], situada por trás da língua [4].

A epiglote funciona como uma tampa ou válvula, que se adapta na glote e que está aberta quando respiramos e fechada quando engolimos [5].

A epiglote só se encontra presa na parte posterior, sendo o restante livre. Quando se inicia o processo de deglutição, a laringe sobe e os músculos da língua fazem com que a epiglote desça e proteja a entrada da laringe. A subida da laringe é perceptível quando engolimos, se colocarmos suavemente a mão, na parte anterior do pescoço, na chamada maçã de Adão, nos homens, mas que também existe nas mulheres, embora não tão saliente. A contracção da língua é uma das razões por que não conseguimos engolir de boca aberta, salvo se treinarmos e fizermos uma posição elevada da cabeça.

A coordenação entre engolir e respirar é automática, ainda que o acto de engolir seja voluntário e que, como vimos, desencadeie um conjunto de acções visando fechar a laringe. Na pessoa inconsciente, este automatismo não existe e a epiglote não cumpre a sua função — daí ser necessário colocar a pessoa em posição lateral de segurança, para evitar a aspiração do vómito.

O engasgamento é a entrada de substâncias líquidas ou sólidas para a traqueia devido a uma falha no funcionamento da epiglote. Quando as substâncias são pequenas ou líquidas, provocam um acesso de tosse, numa tentativa de expulsá-las. Quando são suficientemente grandes para obstruir a via aérea, estamos perante uma situação de emergência, em que pode se necessário proceder a técnicas para desobstruir a via aérea, como as palmadas nas costas ou a famosa manobra de Heimlich [6].

A glote e a epiglote são duas estruturas fundamentais para a separação entre a via aérea e a via digestiva, ou seja, permitem a separação entre respirar e engolir. É por essa razão que é impossível fazê-lo em simultâneo. A coordenação entre os dois processos é automática, na pessoa consciente, mas mastigar bem os alimentos e beber pequenas quantidades de líquidos de cada vez são medidas que ajudam a evitar os engasgamentos.

Saúde!

Anúncios