Por Jarrett Walker [a]

A propósito do meu anterior artigo [2], que discutia a aplicação do Jeff Howard para encontrar hotéis perto de transporte colectivo [3], foi-me sugerido o «Google Hotel Finder» [4], uma ferramenta entretanto integrada no «Google Maps», que se propõe a ajudar o utilizador a encontrar um hotel com base no tempo de viagem a partir dalgum local. O utilizador coloca um alfinete no mapa e a ferramenta desenha isócronas com base na deslocação em transporte individual, colectivo ou a pé, que supostamente mostram a área da cidade onde se encontram hotéis dentro do tempo de viagem especificado.

Até aqui, tudo bem: eu coloco um alfinete no centro de Portland e o Hotel Finder mostra-me uma grande bolha no centro da cidade, que eu posso percorrer em transporte colectivo em quinze minutos. Parece que haverá muitos hotéis à escolha, a partir dos quais posso tomar rapidamente transporte colectivo para o centro. No entanto, quando olhamos um pouco mais de perto, podemos ver um grande problema na abordagem do Google.

Nesta imagem, mudei o alfinete para um canto perto da Escola Reed, no Sudeste de Portland. Esta é uma área residencial limítrofe duma zona industrial de baixa densidade e do campus duma pequena escola de artes. É servida por uma única linha de autocarro, a 10 para Harold, a cada meia hora. Contudo, de acordo com o Google, a partir desta localização, eu estou a uma curta viagem de quinze minutos do Leste de Portland, ou do interior da zona industrial Leste.

O problema aqui é que o Google está a fornecer uma isócrona do acesso em transporte colectivo que não considera a frequência, ou seja, o tempo de espera. Ele assume que o autocarro aparece exactamente quando eu precisar dele…

Assim que eu entro no autocarro 10, é verdade que eu poderia conseguir percorrer uma longa distância para Leste, a partir da 28.ª Rua, em apenas quinze minutos. Mas, dependendo da hora a que cheguei à paragem, posso gastar até 45 minutos a fazer essa viagem. Se assumirmos uma espera média de quinze minutos, ou seja, metade da frequência, a área apresentada pelo Google como a quinze minutos do meu alfinete está, na verdade, mais ou menos a trinta minutos!

Imagine o leitor que é uma pessoa que vem a uma cidade em trabalho e escolheu um hotel, esperando poder chegar à sua reunião de transporte colectivo em apenas quinze minutos. No entanto, quando chega à paragem, ou consulta uma aplicação de planeamento de viagens, descobre que vai esperar mais tempo do que isso só até conseguir apanhar o próximo autocarro! O leitor arrisca-se a chegar atrasado à sua reunião e a ferramenta que usou para escolher o hotel falhou em orientá-lo para alojamentos que preenchessem o seu desejo de chegar ao trabalho numa curta viagem de transporte colectivo.

Uma versão mais útil do Hotel Finder acrescentaria o tempo de espera. Isto alteraria a isócrona em resposta à frequência, mostrando com mais precisão a área (e os hotéis) disponíveis numa curta viagem de transporte colectivo a partir do local desejado.

Estou surpreendido por ver este tipo de informação enganosa da equipa-maravilha do Google Transit. Ao apresentarem tempos de viagem que não consideram a espera, eles abordam o transporte colectivo como se de carros se tratasse, prestando um mau serviço a todos aqueles que desejam levar o transporte colectivo em conta, na sua escolha duma localização.


Nota:

a: Este artigo foi traduzido do original [1] pelo editor chefe (n. do T.).

Anúncios