Por Satoshi Kanazawa [a]

Em Agosto do ano passado, eu publiquei um artigo intitulado: «Aparentemente, o Michael Phelps age sempre com o sexo em vista» [2]. Aparentemente, eu estava certo.

O objectivo do meu artigo anterior não era destacar o Michael Phelps, mas exactamente o oposto. Eu tinha publicado uma colecção de artigos intitulada: «Os homens agem sempre com o sexo em vista» [3]. O argumento do meu artigo anterior sobre o Phelps é que mesmo um atleta sobre-humano e herói nacional como o Michael Phelps não está isento da regra da psicologia evolutiva, de que os homens fazem tudo o que fazem, a fim de obter sexo.

De acordo com as notícias, o Michael Phelps, seguindo os passos do George Clooney, foi namorar uma stripper de 26 tornada empregada dum cocktail bar, chamada Caroline Pal (suponho que seja um nome artístico?). Apesar de Phelps ter alegadamente levado a Caroline a casa da sua família, em Baltimore, para o jantar de Acção de Graças, ele tem aparentemente muitas outras namoradas, além da Caroline. Uma notícia diz: «Michael Phelps tem tantas namoradas como medalhas de ouro.» Naturalmente. As medalhas de ouro (ou outros triunfos que os homens atingem) são meios para o objectivo final de ter acesso reprodutivo a tantas mulheres quanto possível.

É bom saber que mesmo um semideus como o Michael Phelps não está isento das leis da psicologia evolutiva.


Nota:

a: Este artigo foi traduzido do original [1] pelo editor chefe (n. do T.).

Anúncios