Por Carlos Lima

Está demonstrado que a criança até aos 6 anos tem muito mais ligações nervosas que depois dessa idade, o que lhe permite uma aprendizagem muito mais rápida e flexível. Há estudos que demonstram que até aos 3 anos a criança pode aprender pelo menos seis línguas diferentes desde que lhe sejam faladas correta e separadamente. Esta grande capacidade da criança é também factor favorável para o desenvolvimento das crianças na generalidade e para as que apresentam algum tipo de dificuldades, desde que recebam os estímulos certos.

O SNIPI ou Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância que existe em Portugal veio criar em todos os conselhos do país as Equipas Locais de Intervenção (ELI), o que permite que todas as crianças possam ser devidamente acompanhadas desde o nascimento e até aos 6 anos, sendo depois orientadas para as respostas adequadas.

O SNIPI ou Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância centra a sua actuação nas crianças entre os 0 e os 6 anos de vida. Tem como principal objcetivo potenciar as capacidades da criança, para isso, visa capacitar a família e os agentes ou cuidadores presentes na comunidade (creches, infantários, jardins de infância), com quem a criança vive ou interage com regularidade.

Esta intervenção centrada na família e nos contextos da criança, permitem concentrar sinergias das pessoas significativas para a criança, porque são elas que melhor conhecem a criança e que lhe podem fornecer um ambiente adequado e emocionalmente equilibrado que permita à criança chegar ao melhor de si.

A Equipa Local de Intervenção ou ELI, é multidisciplinar (Técnicos do Serviço Social, Docentes, Psicólogos, Terapeutas da Fala, Fisioterapeutas, Médicos e Enfermeiros) e resulta de uma articulação dos Ministérios da Educação, Segurança Social e Saúde, visando chegar a todas as crianças, porque o desenvolvimento de competências  é um direito de todas as crianças principalmente as mais frágeis e vulneráveis.

Para que a criança possa ser avaliada pela Equipa Local de Intervenção é necessário que alguém se disponibilize para a referenciar ou orientar, ou seja, fazer chegar a informação das necessidades dessa criança ao SNIPI (Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância). Qualquer pessoa ou cuidador pode fazer esta referenciação e é uma responsabilidade de todos pois, como diz um proverbio africano «para educar uma criança é precisa uma aldeia inteira», ou seja, em educação não há elementos neutros, todos são intervenientes, o importante é que a família seja envolvida neste processo.

A referenciação é assim um gesto fundamental. Pode partir dos pais, dos amigos, das instituições de saúde, dos educadores das instituições, de alguém que tendo dúvidas ou que identifique fatores que possam comprometer o desenvolvimento da criança. Para referenciar basta resumir essas dúvidas ou fatores e enviar para a Equipa Local de Intervenção, que no caso de Estarreja e Murtosa, tem sede no Centro de Saúde de Estarreja.

A referenciação vai permitir intervir precocemente e em muitos casos vai evitar que se instalem hábitos limitadores ou posturas que depois são muito difíceis de corrigir, quer na criança, quer na família, quer nos contextos.

Hoje, gostava que o leitor soubesse que existe um Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância também resumido á sigla SNIPI. Que o SNIPI tem equipas multidisciplinares que atuam em todos conselhos do país. Que estas Equipas Locais de Intervenção são o suporte para que as famílias das crianças com alguma dificuldade no desenvolvimento, atinjam um nível de capacitação que permita uma óptima estimulação e permitam à criança chegar ao seu potencial. Perante objetivos tão importantes só lhe pedimos um pequeno esforço para a referenciação [1].

Obrigado

Saúde

Advertisements